4MC Teste: uma motocicleta pode ter quatro rodas?

Por Ben Purvis

17:56 julho 7, 2009 PDT

A MAIORIA de testes envolvem um processo longo de avaliação cuidadosa para julgar os benefícios e as desvantagens relativos à motocicleta da pergunta, tentando cuidadosamente julgar se a máquina nova tem alguma vantagem sobre seus concorrentes. Mas ao subir no único protótipo 4MC existente, a única pergunta em sua mente é respondida dentro de segundos.

E a resposta é SIM; esta é ainda uma motocicleta, apesar do número de rodas. A 4MC comporta-se naturalmente como qualquer motocicleta convencional de duas rodas. De olhos vendados, você juraria que está montado em um scooter de grande cilindrada, por ser familiar a manipulação, o gabarito e os controles. E esta é, talvez, a grande novidade deste projeto completamente novo.

Assim, se sente tão normal, por que se incomodar com as rodas extra? Para descobrir você precisa realmente passar por uma situação que você nunca queria em uma moto normal: uma escorregada inesperada da roda dianteira ou traseira. Porque nas 4MC esta escorregada simplesmente não acontecerá, ou a moto absorverá e corrigirá para você, provando ser virtualmente impossível cair. É realmente notável – nos testes em uma pista com manchas de óleo em que veríamos qualquer piloto, em qualquer motocicleta convencional, se esparramando no chão em poucos segundos, a 4MC não faz apenas permanecer firme, mas pode realmente lidar melhor com as circunstâncias escorregadiças do que a maioria de carros – como provado em melhorar os tempos de voltas mais rapidamente do que a maioria dos carros podem controlar no mesmo circuito. Não existe tempos de motocicletas para comparar, nenhuma motocicleta de duas rodas foi testada que pudesse fazer uma simples volta com segurança em superfícies com pouca aderência.

Como um protótipo há poucos pontos para se ressaltar numa pilotagem mais fina nas 4MC’s; ela parece relativamente longa, com um baixo centro de gravidade apesar do seu peso, dando-lhe uma manipulação neutra. Somente quando você a manobra em velocidades ultra baixas é que entende que, com o medo de uma queda removido, é capaz de fazer círculos em baixa velocidade menores do que nunca ousou fazer com uma motocicleta convencional.

Mais importante do que a manipulação – que neste protótipo é tão enormemente ajustável – é o retorno da pilotagem. Buracos são algo que você observa, mas que não perturbam a motocicleta – mesmo se você bate em um com apenas uma roda durante uma volta apertada, não tira a motocicleta do seu traçado. E nas depressões há exatamente o sentimento que você esperaria dos garfos normais, com nenhum afastamento associado geralmente o sistema de direção de motocicletas – um resultado de um sistema próprio de juntas de jogo livre no sistema de direção.

Sim, funciona. Mas por que? É uma motocicleta? É um quadriciclo? É um carro? Para a maioria das normas e leis, não é nenhum deles – apesar da evidência matemática, classificam-na como um triciclo, e é exatamente por isso que tem o potencial de ser a coisa a mais significativa no motociclismo nos últimos anos. Sob as leis de licenciamento da maioria dos países, uma máquina como esta pode ser pilotada usando uma carta de condução normal de carro, assim seu mercado potencial é enorme, maior do que qualquer motocicleta normal pode sonhar. Na maioria dos países desenvolvidos, as licenças de motocicleta são de 1 para 15 licenças de carros, e frequentemente a diferença é bem maior. Isso significa que a quantidade de compradores potenciais de 4MC´s é simplesmente enorme.

Agradecemos ao projeto de quatro rodas e o sistema de suspensão engenhoso, que significa que as 4MC´s podem se inclinar completamente com o piloto sem cair, mesmo em uma parada brusca. Ela tem o elemento extra da segurança que poderia tentar os motoristas que nunca ousariam o risco em duas rodas. E não é mais larga do que uma motocicleta média, assim pode ser mais ágil no tráfego, e seu motor derivado de uma motocicleta – da scooter Yamaha YP400 no protótipo – significa que sua economia de combustível é tão boa quanto uma de duas rodas.

Seu designer, Nick Shotter, não é a única pessoa que aponta que este tipo de motocicleta tem tudo para decolar. O scooter MP3, de três rodas de Piaggio, já é um sucesso enorme, e a empresa revelou recentemente uma versão um pouco mais larga que usasse a mesma licença que a MC4, para permitir que os motoristas de carro o usem sem nenhum treinamento ou teste a mais. E no “YAMAHA´S 2007 TOKYO SHOW” de motocicletas conceito, o Tesseract mostra como uma superbike do futuro que usa o conceito da suspensão de Shotter poderia parecer. Antes que a motocicleta seja construída, Shotter já tinha se aproximado da Yamaha com seus projetos, e a Yamaha Japão está em contato direto com ele a respeito da suspensão; se querem põr o Tesseract em produção, precisarão licenciar a tecnologia de suspensão de Shotter, que possui as patentes do projeto.

fonte:



Comments

  1. 1
    Marcello
    fevereiro 2nd, 2015 at 7:34

    Gostei. Muito mais seguro do que com duas rodas.
    O problema é o preço.

Faça um comentário

blank